Curso de Psicologia realiza evento alusivo ao Dia Internacional de Luta Contra LGBT Fobia


O curso de Psicologia do Iespes está realizando uma programação especial para o Dia Internacional de Luta Contra LGBT Fobia, comemorado no dia 17 de maio. O evento vai ocorrer na Praça Barão de Santarém, a partir das 18h, e vai contar com a participação de profissionais do Direito e Psicologia, e de membros da International Federation of Medical Students Associations (IFMSA), uma organização de medicina internacional.

Haverá roda de conversa sobre direitos LGBT e a violação deles. Paralelo ao debate, haverá relatos de experiências de pessoas que já sofreram descriminação. Vão ser feitas atividades interativas, onde participantes poderão criar cartazes, pinturas e desenhos, durante o evento, e contribuir com o momento, demonstrando suas percepções.

A iniciativa surgiu com acadêmicos do 7º semestre do curso de Psicologia, que envolveram os demais acadêmicos do curso e profissionais. A aluna Ariane Macedo explica que a motivação surgiu depois de um caso de suicídio com um jovem na cidade de Santarém, e coincidiu com a data. “É uma realidade mascarada. As pessoas acabam aceitando, porque isto é instituído como algo normal, e não param para refletir sobre a homofobia. São atitudes que matam as pessoas, matam tanto fisicamente como psicologicamente”, destaca.

Ela diz que alunos se sentiram chamados a intervir de alguma forma, e decidiram realizar uma ação para conscientizar e chamar a atenção da sociedade. “Precisamos falar sobre homofobia, precisamos realizar ações que façam as pessoas saírem desses pré-conceitos, das realidades que são estabelecidas”.

A aluna lembra do avanço na luta quando foi retirada do Critérios e Diagnósticos a homossexualidade como doença. “Foi uma grande conquista, e precisamos debater, porque muitas conquistas já foram estabelecidas e a luta precisa continuar, para que novas conquistas sejam estabelecidas também”, ressalta.

É o que também acredita a aluna Letícia Silva. “Apesar do lado ruim, das mortes, da violência, precisamos acreditar que, no final, há solução. Tudo tem um pouco de esperança".

Vão ser realizadas também exposições de trabalhos científicos, dados estatísticos e imagens sobre a temática, além de apresentações culturais.

O convite fica aberto para a sociedade em geral. “Convocamos todas as pessoas a participarem conosco, abraçarem essa causa porque