Projeto ‘Sempre Bela’ promove oficina de biojoias para mulheres que estão em tratamento de câncer de


O projeto de extensão intitulado “Sempre Bela”, do curso de Enfermagem do Iespes, promoveu de segunda, 06, a sexta-feira, 10, oficina de biojoias para mulheres que estão em tratamento de câncer de mama no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) e são atendidas pelo projeto.

Biojoias são artigos de joalheria produzidos de forma artesanal.


Os colares, brincos e outras peças foram confeccionadas a partir de sementes naturais da flora, que foram doadas por comunidades ribeirinha e rural. Antes de serem transformadas em joias, as sementes foram processadas pelos voluntários do projeto.


Sexta-feira, 10, durante o encerramento da oficina, as peças foram expostas no Iespes. A oficina teve parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

As atividades realizadas pelo projeto são uma forma de ocupar a mente das mulheres e fazer com que elas esqueçam um pouco a doença. Também é uma forma de incentivo para que elas confeccionem seus próprios produtos para vender.


Ariane Monteiro passou por uma sessão de quimioterapia na quinta-feira, 09, e mesmo com os enjoos e indisposição, que são comuns após o procedimento, fez um esforço e participou da oficina. Esta foi a primeira vez que ela participou, por acreditar que a atividade fosse uma forma de se distrair, e até se empolgou.


“É uma forma de passar o tempo. Fiquei com vontade de me aperfeiçoar. Nunca tinha feito nada de trabalho manual. Gostei de conhecer as sementes e pretendo fazer outras joias para pessoas de casa e, quem sabe, no futuro, para vender”, disse.

Já foram feitas oficinas de desenho e pintura, perucas, tocas, entre outras atividades. O projeto é desenvolvido por alunos do 6º semestre do curso de Enfermagem do Iespes, sob coordenação da professora Leidiane Gonçalves.


“Mesmo realizando o tratamento, elas conseguem reunir conosco, duas ou três vezes ao mês, e fazemos atividades lúdicas, oficinas, conversas em grupo, passeios, para trabalhar a autoestima e para que elas conheçam um pouco da história umas da outras e se ajudem”, explica a professora Leidiane.


A estudante Bianca Sousa ressalta a alegria em ser voluntária no projeto e ajudar as mulheres. “A gente fica muito feliz em ver elas satisfeitas, alegres com esse aprendizado”.


A professora do Senar, Quesia Oliveira, comentou sobre a satisfação de ensinar as pacientes na confecção dos produtos e ver a gratidão delas. “É uma experiência maravilhosa trabalhar com pessoas que estão em fase de recuperação, até porque existem momentos que percebemos que elas ficam cabisbaixas, mas quando a gente consegue ocupar a mente, tudo muda”.


As joias e os outros produtos confeccionados desde o início do ano, quando o projeto foi criado, vão ser utilizados na campanha ‘Outubro Rosa’, em um desfile e em outros eventos promovidos futuramente.