Integrantes da Lapsique participam de aula sobre Automutilação no Iespes

Acadêmicos do curso de Psicologia do Iespes, que fazem parte da Liga Acadêmica Psique (Lapsique), participaram, na terça-feira, 9, de uma aula denominada: “Automutilação: machucar a pele para aquietar a mente. Eu me corto: precisamos falar sobre isto”.

A aula primeira aula fechada de 2019 da liga foi ministrada pela psicóloga Lucelia Jati. As coordenadoras da Lapsique, professoras Izabelle Lopes e Thayanne Branches, também estiveram presentes.

A ministrante realizou uma dinâmica com os alunos para que eles simbolizassem a dor por meio de desenhos e, em seguida, explicassem o significado. Os participantes também foram convidados a escrever palavras positivas que quisessem levar para aquele momento.

A psicóloga utilizou a metodologia de círculo de aprendizado da Justiça Restaurativa para oportunizar um ambiente de diálogo seguro sobre a temática. Recortes de casos de atuação do psicólogo, tanto na área social quanto na clínica, foram apresentados.

Lucelia Jati explicou que a temática traduz o sofrimento humano que sempre existiu, com uma contextualização histórica, cultural e de saúde mental, relacionando com a atual realidade. Ela ressaltou que a automutilação é uma válvula de escape da dor emocional, de forma silenciosa.

“A temática sobre a dor ocasionada pela automutilação como uma tentativa de sentir a realidade, em uma perspectiva existencial, possibilitou aos acadêmicos de psicologia compreender que o comportamento da autolesão é um sofrimento de uma dor que até então, não encontrou vocalização, por ser uma angústia muda que assedia a pessoa por dentro”, relatou.

O acadêmico Nedio Rosset ressaltou que a temática precisa ser discutida, principalmente com os frequentes casos na atualidade. “É muito importante abordar essa temática com muita atenção, pois é algo que vem crescendo em diversas áreas da psicologia, buscar o auxílio do psicólogo para lidar com as questões sobre os motivos deste comportamento, sem contar que é algo que anda acontecendo muito, principalmente com jovens que estudam”, destacou.