XVI Jornada Científica encerra com premiações de trabalhos e comemoração pelos 18 anos do Iespes


A XVI Jornada de Iniciação e Pesquisa Científica e Tecnológica do Iespes encerrou na sexta-feira, 10, com atividades alusivas aos 18 anos da instituição e premiações dos trabalhos com melhor avaliação em três categorias. Mais de 800 resumos foram submetidos e mais de 1.000 pessoas se inscreveram para a Jornada. Os resumos aprovados serão publicados no livro de resumos do evento, posteriormente.

Pessoas de diversas instituições de Santarém e de outras cidades participaram dos três dias de evento, de 8 a 10 de maio. Uma vasta programação com apresentações culturais, mesas redondas, minicursos, oficinas, rodas de conversa e apresentações de trabalhos científicos, fizeram parte do evento. Foram realizados 32 minicursos, 16 oficinas e nove mesas redondas.

Durante o encerramento, houve um momento para relembrar um pouco da história do Iespes nesses 18 anos. A ocasião contou com a presença de representantes dos coordenadores, professores, egressos, acadêmicos, direção e coordenação do evento, que destacaram experiências vividas por eles com o Iespes ao longo dos anos.

A professora e jornalista Adriana Pessoa e o professor Andrew Mairon representaram os egressos do Iespes e a produção científica, respectivamente. Adriana abordou pontos importantes que marcaram a trajetória da instituição, como o pioneirismo, infraestrutura, laboratórios, investimento em tecnologia, profissionais capacitados e outras questões em que Iespes se destaca na região.

“Tudo isto faz com que o meu currículo seja diferenciado. Eu tenho orgulho de dizer que eu me formei no Iespes. Para mim, estar aqui hoje e falar em nome dos 22 egressos, que são professores, é muito importante. [...] Como profissional, aonde eu passei, posso dizer que a minha marca mais forte é ser empreendedora e proativa. Não faço nada sem essas duas qualidades e eu acho que a formação no Iespes que me possibilitou isso”, contou.

A acadêmica do curso de Biomedicina, Claudiane Pereira, representou os alunos da instituição. Ela destacou o fato de sempre poder contar com os professores da instituição e agradeceu a oportunidade de falar em nome do corpo discente. “Sempre podemos contar com os professores para tudo que precisamos. Isso é muito legal. Eles envolvem a gente. Nosso coordenador também acredita em nós. É uma grande satisfação fazer parte dos 18 anos da instituição, com uma turma maravilhosa que é a nossa. É uma grande satisfação falar em nome dos alunos”, contou.

Lennon Gonçalves Aragão, do 3º semestre do curso de Radiologia, submeteu um trabalho pela primeira vez e recebeu honra ao mérito. “Eu me sinto muito honrado em receber essa premiação, por todo o trabalho que eu tive. Eu sei que é um esforço grande, mas vai me ajudar muito no futuro. Agradeço ao Iespes e a todos os professores pela ajuda”, ressaltou.

Ele apresentou o trabalho com o tema: “Contributo da tomografia computadorizada e ressonância magnética para o diagnóstico de hérnia de disco”, juntamente com a acadêmica Nádia Campos e o professor Luciano Sales.

“A hérnia de disco é uma patologia que acomete muitos brasileiros. Segundo a Organização Mundial de saúde (OMS), as dores lombares são a maior causa de invalidez no trabalho no Brasil. O nosso trabalho fala sobre a importância de dois exames que precisam ser realizados para diagnosticar a patologia: a tomografia e a ressonância magnética”, explicou o jovem. O trabalho ficou entre os cinco melhores avaliados na categoria Pôster. Eles pretendem levar o trabalho a diante. O objetivo inicial é submetê-lo em um Congresso na Bahia, ainda este ano.

Os trabalhos submetidos são das áreas de: Ciências Biomédicas, Ciências Exatas e Tecnologia e Ciências Humanas e Sociais. Todos aqueles que foram apresentados no evento serão publicados no livro de resumos da Jornada, posteriormente.

A coordenadora a pós-graduação, extensão e pesquisa e da XVI Jornada Científica, professora Ana Camila Sena, agradeceu o empenho dos participantes das diversas instituições e de toda a equipe do Iespes, alunos, professores e todo pessoal do administrativo e do apoio. Ela ressaltou o desafio de estar à frente da organização do evento e falou sobre a importância da Jornada para a produção de conhecimentos.

“É um desafio muito grande coordenar um evento nessa proporção, que já é muito conhecido em toda a região oeste do Pará. [...] É um momento de compartilhar conhecimentos científicos e até mesmo empíricos, é um momento de compartilharmos experiências, vivências. Foram, aproximadamente, dois meses de organização apenas, e a realização só foi possível por conta do trabalho em conjunto. E como dizemos, é porque juntos somos mais forte”, frisou.

O diretor do Iespes, Albino Portela, também agradeceu a todos e destacou as comemorações pelos 18 anos do Iespes. Ele falou sobre o legado que a instituição deixa na missão de contribuir para uma educação de qualidade na região. “Foram 18 anos de construção. Muitas pessoas já passaram por aqui e cada uma, no seu tempo, deixou seu legado [...] Uma instituição que foi criada para ajudar a fomentar profissões, que cresce a cada dia, que é comprometida com o social e também na educação de excelência. Temos profissionais competentes e alunos qualificados”, ressaltou.

Na ocasião, teve muita música, parabéns e bolo. Nesta edição, a Jornada Científica abordou o tema: “A função social da pesquisa e o desafio da sustentabilidade”. Em 2020, a Jornada Científica ocorrerá juntamente com o II Congresso Internacional de Pesquisa e Ciência (Cipec), que é realizado a cada dois anos.