Curso de Psicologia do Iespes promove discussão sobre o suicídio


O mês de setembro é marcado em todo o Brasil por diversas ações de prevenção ao suicídio. Na terça-feira, 10, o curso de Psicologia realizou o V Colóquio sobre o suicídio. Alunos, professores e demais participantes durante todo o dia e a noite se envolveram nas atividades alusivas à campanha Setembro Amarelo.

Com objetivo de conscientizar sobre a importância de discutir o assunto, a programação foi aberta ao público e possibilitou a participação em atividades como mesa interativa, que teve como tema “Suicídio: Acolher? Medicar?", além de Cine-diálogo, escuta psicológica e momento psicultural.

Na entrada do Iespes e da Fundação Esperança, alunos estavam de braços abertos para quem aceitasse receber um abraço. Também foram distribuídas caixinhas personalizadas pelos dois campus do Iespes e na mantenedora, Fundação Esperança, para quem quisesse deixar um desabafo.

Durante toda a programação, não faltaram palavras de apoio. A coordenadora do curso de Psicologia, professora Thayanne Branches destacou fatores importantes desse momento. “A data foi escolhida para falar não só sobre o suicídio em si, mas possibilitar diálogos sobre as causas, os tratamentos, acolhimento, reflexões que possam auxiliar em medidas preventivas, por isso a diversidade de dinâmicas realizadas”, pontuou.

A egressa do curso de Psicologia, Raylene Jatí, destacou o levantamento da Organização Mundial de Saúde - OMS, sobre a estatística de suicídios cometidos no Brasil por falta de conhecimentos, que também foi abordada durante a programação.

“O suicídio não é somente o ato de tirar a própria vida, ele ocorre em três fases: pensamento, planejamento e execução, então é importante sabermos por onde começa, como a gente pode trabalhar para que possam ser rompidas essas fases. Então temos que estar preparados para receber uma pessoa que está passando por essa situação, por isso ter esse conhecimento básico é muito importante dentro do colóquio”, ressaltou a psicóloga.

O evento encerrou com apresentações teatrais e culturais.