Turmas de Psicologia realizam evento alusivo ao Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia


As turmas do 7º semestre do curso de Psicologia, sob orientação da professora Kláudia Sadala, realizam nesta sexta-feira, 18, um evento alusivo ao Dia Internacional de luta contra a LGBTfobia, comemorado hoje.

Uma roda de conversa sobre questões relacionadas a LGBTfobia, além de exposição fotográfica, de banner e espaço aberto aos participantes para compartilharem experiências estão na programação, que inicia às 19 horas, na Praça Barão de Santarém. A iniciativa está ligada à disciplina Psicologia da Sexualidade. O advogado de direitos LGBT, André Fonseca, é um dos integrantes da roda de conversa e vai falar sobre os aspectos legais e esclarecer dúvidas do público participante, além do coordenador da Comissão de Saúde da Ong Grupo Homesexual de Santarém (Ong GHS), Erek Fonseca. A tenda “Conte um conto” é o ambiente pensado para pessoas expressarem suas vivências sobre o assunto.

O evento é um espaço para discussões sobre a discriminação, violência e o direito a livre orientação sexual e identidade de gênero, estimulando, conforme o objetivo dos organizadores, uma cultura de paz com respeito a diversidade.

A professora Kláudia Sadala explica que é preciso desconstruir tabus que foram sendo estabelecidos ao longo do tempo e, para isso, o evento irá repassar conhecimentos sobre o assunto, de forma a aproximar a sociedade da temática. "Vamos compartilhar conhecimento científico porque entendemos que é através dele que vamos desconstruir algumas perspectivas, paradigmas que, na verdade, não são conhecidos profundamente. É também um momento para entendermos que a diversidade é uma realidade. Ela é a forma de cada um expressar seus sentimentos, sua forma de amar".

Ela ressalta que será debatido sobre a violência, com divulgação de dados estatísticos. "O Brasil é um dos países onde mais se matam pessoas LGBTs, principalmente transexuais. Temos estatísticas muito importantes que serão demonstradas no evento, relacionados também aos estados onde mais ocorrem casos de violências contra essas pessoas".