Projeto ABC Brincando proporciona dia de beleza para pacientes funcionários do HRBA


O projeto de extensão “ABC Brincando no HRBA”, desenvolvido pelo curso de Pedagogia do Iespes, está proporcionando uma ação diferente, nesta segunda-feira, no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA). O projeto fez parceria com o curso de Estética e Cosmética do Iespes para oferecer serviços de beleza para pacientes e funcionários.


O projeto é coordenado pela professora Ana Betânia Araújo e proporciona momentos de recreação as crianças que estão em tratamento contra o câncer no hospital. Desta vez, a ação foi estendida para os homens que estão internados em diversos setores, ainda em comemoração pelo Dia dos Pais.


Ana Betânia ressalta como surgiu a ideia de oferecer os serviços de beleza spa dos pés e das mãos e corte de cabelo para as pessoas que não podem sair do hospital. “Quando pensamos em homenagear os pais, pensamos em fazer algo diferente, e oferecer um pouquinho de cuidado para a beleza deles, para levantar a autoestima. Tem paciente que está muito tempo internado e não tem como fazer esse cuidado porque não pode sair”, explica.


Ela ressalta que a aceitação pelos pacientes foi acima do esperado e os voluntários não tiveram pausa.


José Ribamar Lima, 55 anos, aproveitou a ação para cortar o cabelo. Ele está no HRBA para fazer um cateterismo. “Aproveitei para cortar o cabelo porque estava muito grande. É bom este tipo de ação para ajudar a gente. É muito importante”, comenta.


Os cortes de cabelos foram oferecidos em parceria cm o Carlos Barbearia. Além de proporcionar serviços de beleza, a ação ofereceu momentos de descontração.


Pela manhã, a ação foi supervisionada pela professora Kellen Andrade. Agora à tarde, as atividades continuam sob supervisão da professora. Os alunos são do 2º, 4º e 6º semestre do curso.

Joana Amorim, que está cursando o 2º semestre, teve seu primeiro contato com a prática por meio desta ação. Ela afirma que sentiu bem em poder ajudar as pessoas. “É muito gratificante. A gente vem melhorar o dia deles. A rotina é muito chata e eles não tem como sair”.